Rapidez e precisão na automação parcial em microbiologia

Escrito por Dr. Charlles Heldan

 

Atualmente em medicina, rapidez e precisão diagnóstica podem significar a salvação da vida de um paciente. A automação parcial em microbiologia permite a identificação precoce do agente e torna os testes de sensibilidade a antibióticos mais rápidos e confiáveis. Esse é apenas mais um ponto onde o CURALab se diferencia e traz benefícios a pacientes e seus médicos. A automação do setor de microbiologia do CURALab responde a necessidade de diagnósticos rápidos e confiáveis no diagnósticos de doenças infecciosas, em especial nas infecções do trato urinário e respiratório, bem como do trato genital.

Os painéis automatizados para a identificação taxonômica de bactérias Gram positivas, Gram negativas e fungos possuem maior quantidade de testes bioquímicos, o que identifica com mais precisão o gênero e espécie do microrganismo isolado. Além disso, o software possuir mais de 300 possibilidades de microrganismos cadastrados no banco de dados. A incubação para os cartões de identificação varia de 4 -18 horas para automação, enquanto na identificação manual a incubação é de 18-24 horas, agilizando o processo de tratamento do paciente, uma vez que o antibiograma é realizado concomitantemente à identificação do agente e tem uma incubação tão curta quanto da identificação.

Os testes de sensibilidade a antibióticos são realizados e reportados com a informação da concentração inibitória mínima dos antibióticos de acordo com critérios internacionais de interpretação dos testes (CLSI e EUCAST vigentes), auxiliando o tratamento com o antibiótico mais adequado e com a menor concentração possível. A liberação rápida e precisa do antibiograma por testes automatizados garante a utilização do antibiótico correto sem a prescrição de antibióticos de amplo espectro que contribuem para o rápido aumento de resistência e seleção de bactérias multi resistentes. O software de interpretação do antibiograma auxilia a detecção de resistência a antibióticos e que exige testes adicionais de acordo com a nota técnica 1/2013 da ANVISA.

Portanto, a rapidez e precisão nos processos automatizados para identificação e teste de sensibilidade a antibióticos de isolados bacterianos aumentam a segurança e confiabilidade dos resultados, tendo em vista a padronização das reações e exclusão da subjetividade da análise manual.

 

Bibliografia consultada

Biomérieux. (2015). "Bacterial identification and antibiotic susceptibility testing .  Retrieved 01/03/2015, 2015, from http://www.biomerieux.com/en/bacterial-identification-antibiotic-susceptibility-testing-vitek-2 
Bourbeau, P. P. and N. A. Ledeboer (2013). "Automation in clinical microbiology." J Clin Microbiol51(6): 1658-1665. 
BRASIL. (2013). ANVISA.  Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual de Microbiologia Clínica para o controle de infecção relacionada à assistência à saúde
KONEMAN, E. W. e. a. (2005). Koneman's Color Atlas and Textbook of Diagnostic Microbiology 
O'Hara C, M. (2005). "Manual and automated instrumentation for identification of Enterobacteriaceae and other aerobic gram-negative bacilli." Clin Microbiol Rev 18(1): 147-162.