A importância do holter - CURA

A importância do holter

Um dos desafios na prática médica diária é entender corretamente e valorizar de forma objetiva os sintomas dos pacientes. Na cardiologia, palpitações, tontura e perda da consciência podem ter causas diferentes. Quando são provocados por uma arritmia cardíaca, têm um prognóstico mais (difícil) grave. Portanto, a origem do sintoma implica em grande diferença de risco, de prognóstico e de abordagem terapêutica. 

O desafio, portanto, é saber se o que o paciente relatou como palpitação ou como disparo do coração, como alteração das batidas, como batida forte, como desconforto é uma manifestação do ritmo cardíaco ou é uma expressão de ansiedade, de consequência de exercício ou de alguma outra origem.

A melhor maneira de esclarecer se é ou não alteração do ritmo cardíaco, é registrar o eletrocardiograma no momento em que se dá a ocorrência. Para tanto, pode-se adotar o holter, técnica que permite monitorar os batimentos cardíacos ao longo de 24 ou 48 horas. Ou seja, é um eletrocardiograma com esse tempo de duração.

Como funciona?

Eletrodos são fixados no peito do paciente e ligados a um monitor leve e portátil, que é acoplado à cintura do paciente. Nele, são registrados os batimentos cardíacos. Em um diário, o paciente anota o que ele fez e sentiu no período. Essas informações são consideradas e comparadas ao eletrocardiograma pela equipe técnico-médica que fará a avaliação do quadro do paciente.

Quando indicar?

Esclarecimento de sintomas

Nem sempre uma palpitação é decorrência de arritmia cardíaca ­­– somente uma porcentagem pequena das vezes em que o indivíduo se queixa de palpitação, mostra que ele realmente está tendo uma arritmia. Ao mesmo tempo, muitas vezes uma arritmia grave é assintomática. Com o exame holter é possível esclarecer o quadro.

Estabelecimento de risco

É outra indicação: determinar se a arritmia já estabelecida anteriormente traz risco e o grau desse risco.

Controle de tratamento e de marca-passo

Constatar se o tratamento prescrito para um paciente com arritmia trouxe melhoras, ou não, para ele. Também é indicado para o controle de marca-passo.

Fibrilação atrial

O exame holter é uma forma de identificar se a pessoa tem episódios de fibrilação atrial.  Quando o indivíduo tem essa arritmia, possui risco maior de ter um AVC.

Apneia do sono

Quando há suspeita de apneia de sono, em vez de se partir direto para a polissonografia (exame que requer internação e monitoração do paciente enquanto ele dorme), com o holter é possível obter indicação mais segura da presença de apneia por da análise da variação dos seus batimentos cardíacos durante o sono. Isso evita a indicação desnecessária de polissonografia.

Por que o CURA? 

O CURA possui uma equipe altamente qualificada e com vasta experiência na área, desde o pessoal técnico, que trabalha na área há mais de 40 anos, ao pessoal médico especializado e com elevado grau de conhecimento e formação científica de nível internacional.